Bruxelas, Bélgica

POR QUE IR?

Bruxelas, Bélgica, Hoteis

A sisudez da União Europeia pode ter sua sede ali, mas espíritos irreverentes também se sentem em casa nesta cidade cujo símbolo mais famoso, o Manneken Pis, é a estátua de um menino fazendo xixi alegremente.

O QUE HÁ PARA FAZER?

A Bélgica pode ser um país jovem em termos europeus (a independência veio em 1830), mas sua principal cidade guarda uma impressionante coleção de museus e arquitetura histórica – do gótico ao art nouveau, numa área não muito grande. E se você estiver à procura de prazeres mais culpáveis e imediatos, bem-vindo à capital das batatas fritas, da cerveja e do chocolate.

PARA VER

O melhor da arquitetura

A magnífica Grand Place é uma das praças mais bonitas da Europa, com prédios públicos em estilo barroco, cafés e restaurantes intimistas. Por perto ficam as Royal Galleries of Saint Hubert, abertas em 1847 como as primeiras galerias de lojas da Europa.

O melhor da arte

Não perca as coleções do Musées Royaux des Beaux-Arts, que tem desde obras flamengas do século 15 até obras atuais, incluindo a maior coleção do mundo de Magritte (Rue de la Régence 3; fecha segunda-feira; € 5).

O melhor do art nouveau

O Musée Horta é uma excelente introdução ao movimento art nouveau do fim do século 19, com paredes espelhadas, painéis de madeira maravilhosos e vitrais coloridos (Rue Américaine 25; 14h-17h30, € 7).

O melhor passeio

O Vast Parc du Cinquantenaire é emoldurado por um arco do triunfo, erguido em 1880 para celebrar os 50 anos da independência belga. Ali há também museus de antiguidades, história militar e automóveis.

Bruxelas, Bélgica

O melhor da história

Insetos preservados, um elefante empalhado, máscaras tribais e uma piroga (canoa) de 22 metros de comprimento feita pelo povo lengola são algumas das atrações do Koninklijk Museum voor Midden-Afrika, uma viagem à África (Leuvensesteenweg 13, Tervuren; terça a domingo; € 4).

PARA COMER E BEBER

• Painéis de madeira, espelhos enormes e banquinhos de couro tornam À la Mort Subite um lugar para experimentar a cerveja homônima, duplamente fermentada, ou uma versão em kriek (cereja), se você preferir (Rue Montagne aux Herbes Potagères 7; diariamente).

• No Viva M’Boma, instalado num antigo açougue, conviva com pessoas locais comendo clássicos belgas, como rins de vitela e filé de cavalo (Rue de Flandre 17; almoço e jantar de segunda a sábado; pratos de € 12 a € 18).

• Para uma comida belga tradicional (coelho, porco e mariscos), vá até a Brasserie de la Roue D’Or, com decoração inspirada nos surrealistas da cidade (fechado em julho; pratos de € 16 a € 30).

• Nas Galeries St Hubert, a Taverne du Passage existe desde 1928. As grandes porções de especialidades belgas incluem waterzooi – frango ou peixe cozido à base de creme (Galerie de la Reine 30; almoço e jantar; pratos entre € 16 e € 32).

• O melhores frutos do mar da cidade estão no Sea Grill. Experimente a lagosta Brittany, extraída com um instrumento próprio de prata (Radisson Blu Royal Hotel, Rue du Fossé aux loups 47; segunda a sexta-feira; pratos entre € 50 e € 75).

ESSENCIAIS

Para chegar lá

É possível encontrar bons preços de passagem aérea para Bruxelas, partindo de São Paulo ou Rio de Janeiro. KLM, Ibéria, TAM e Luthansa fazem o percurso por menos de US$ 1.000, com conexões em outras capitais européias.

Melhor época para ir

O clima é mais agradável de abril a setembro, mas a maioria das atrações de Bruxelas está disponível o ano inteiro. Devido à popularidade da cidade como destino de homens de negócios, muitos hotéis reduzem seus preços em fins de semana e em agosto.

PARA DORMIR

• O Hôtel Rembrandt é um lugar cujo preço é fantástico para uma cidade que muitas vezes cobra pelos quartos pensando em homens de negócios e funcionários da União Europeia. E é belamente decorado com pinturas a óleo e móveis de madeira (Rue de la Concorde 42; a partir de € 75)

• Situado perto do reluzente quarteirão da União Europeia, o Chambres en Ville tem quatro quartos decorados com sutileza e um apartamento com piso sueco antigo (Rue de Londres 19; a partir de € 90).

• O Hooy Kaye Lodge fica numa casa do século 17 e é uma pousada elegante, com quatro quartos de tamanhos diferentes, unidos por tons de chocolate e móveis antigos (Quai aux Pierres de Taille 22; a partir de € 97).

 A Praça da Bélgica

• Uma boa opção com preço médio é o Hôtel Noga, onde a decoração mistura o antigo e o moderno de maneira segura. Há facilidades excelentes para um hotel com seu preço: bar, salão de bilhar e lounge (Rue du Béguinage 38; a partir de € 110).

• Discreto é pouco para descrever o refinado Hôtel Le Dixseptième. Somente um sino na porta indica sua localização, numa rua antiga próxima ao centro histórico. Cada um dos 24 quartos dessa residência do século 17 é suntuosamente decorado e tem o nome de um artista belga (Rue de la Madeleine 25; a partir de € 200).

DICAS DE OUTROS VIAJANTES

Feira divertida

A feira livre da Place du Châtelain é excelente. Funciona toda quarta-feira das 13h às 20h (no inverno, até às 19h), e há muita comida diferente à venda, além de vinhos e queijos para provar. Para chegar lá, pegue o bonde 81, salte na Rue du Bailli e você encontrará o mercado num grande estacionamento junto à Rue du Page (a um quarteirão da igreja Châtelain).
Daisy Ayliffe

Os melhores biscoitos

Chocolates não são a única lembrança trazida de Bruxelas. Guarde espaço em sua mala para uma caixa dos tradicionais biscoitos Speculoos, os originais e melhores, da Biscuiterie Dandoy. Visite uma das suas seis lojas e enquanto estiver escolhendo, mordisque o Pain à la Grecque, polvilhado de açúcar (31 Rue au Beurre).
Sarah Cook

Pequeno labirinto

Se de fora o Goupil le Fol parece um brechó, a sensação aumenta quando você entra e vai até o bar no andar de baixo, onde há jukebox e fotos antigas da realeza. Subindo a estreita escada em espiral há outro bar onde eu e meus amigos apreciamos os vinhos feitos de várias frutas, uma especialidade (Rue de la Violette).
Emily Knightley

Descubra mais

O capítulo sobre Bruxelas do guia Belgium & Luxembourg (R$ 56), da Lonely Planet, pode também ser baixado. O guia Brussels, Bruges, Antwerp & Ghent Encounter (R$ 30) é uma companhia de bolso para uma viagem. Pesquise Visit Brussels ou o site do escritório de turismo belga. E traga um suvenir de Tintim, o belga mais famoso 

Bariloche, Argentina

Aproveitar a temporada de neve em Bariloche sempre vale a pena

Casa para alugar

POR QUE IR?

Na temporada de inverno, Bariloche vira sinônimo de festa brasileira. Todos rumam para a região argentina na Cordilheira dos Andes para aproveitar seus muitos atrativos naturais, que incluem o lindo Lago Nahuel Huapi, e os cerros, que, no inverno, viram point de esquiadores e dos amantes da neve.

QUANDO IR?

Bariloche é atraente o ano inteiro, mas a região ferve mesmo durante a temporada de inverno, entre meados de maio e agosto, quando a neve torna os cerros ideais para esquiar. Se a proposta for curtir a natureza, seus lagos e montanhas, fazer trekking e montanhismo, a primavera é a estação mais indicada.

COMO IR?

A 1.608 km de Buenos Aires, San Carlos de Bariloche mantém um aeroporto que recebe voos da capital portenha e também fretados, que partem diretamente do Brasil, a maioria de operadoras de turismo de São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre. O trajeto entre São Paulo e Bariloche, sem escalas, dura 3 horas.

PARA VER

O melhor do esqui

Sinônimo de estação de esqui durante o inverno, é no Cerro Catedral que está o principal complexo de esqui da Argentina. A montanha fica a apenas 20 minutos do centro e tem pistas tanto para pessoas iniciantes quanto para experientes, além de uma completa estrutura com restaurantes e bares. 

O melhor para ver

As Cavernas del Viejo Volcán (Villegas, 246; tours 11h30, 13h30 e 15h) são um complexo de cavernas a 15 km de Bariloche, antigamente habitadas pelos índios mapuche, além de outras tribos da região. Algumas partes das cavernas ainda são bem preservadas, com inscrições rupestres e formações rochosas. O tour ainda oferece vistas incríveis da região marcada pelo Lago Nahuel Huapi.

O melhor da aventura

Bariloche e o Nahuel Huapi proporcionam muitas atividades ao ar livre, como montanhismo e trekking no parque nacional, e mountain bike no Circuito Chico (com 60 km de extensão). Confira os serviços da Overland Patagônia (Morales, 555). Fazer rafting nos rios Limay e Manso é outra possibilidade nas estações mais quentes. A Extremo Sur (Morales, 765) oferece diferentes roteiros. Já quem gosta de altura, poderá curtir o paragliding. Experimente a Parapente Bariloche; bem conceituada entre os turistas.

Para comer e beber

• O clima alpino contagia os visitantes que costumam brindar suas férias na montanha, em lugares como a Casita Suiza (Quaglia 342, San Carlos de Bariloche) que serve uma afamada fondue de queijos e carne grelhada na pedra. 

Bariloche, Argentina

• Popular entre os turistas, o El Boliche de Alberto Pastas (Rua Elflein, 163, Centro) tem lasanhas, ravioles e molhos memoráveis num ambiente agradável.

• Com 108 sabores de pizzas, além de pasteis de calzones, o restaurante Vogue (Rua Palácios, 156, Centro) também serve massas caseiras. 

• Considerado um dos melhores de Bariloche, o restaurante Aura (Rua San Martin, 441, Centro – dentro do hotel Dazzler) serve pratos refinados da culinária internacional. 

• No Frases (Rua Bartolomeu Mitre, 211, Centro), refeições para todos os gostos, do almoço ao jantar, passando pelo chá da tarde, em estilo europeu. 

• Uma variedade de cervejas atrai público animado e interessante ao Berlina (Av. Bustillo, 11.750, entre o Km 10 e km 15), sempre durantes as temporadas.

• O Chez Phillipe (Rua Primeira Junta, 1.080, Centro; somente para jantar) é conhecido tanto pela fondue, quanto pela culinária regional, cujo destaque é o cordeiro patagônico.

ESSENCIAIS

Para chegar lá

O avião é o meio mais rápido
de chegar em Bariloche. Isso porque a viagem entre Buenos Aires e Bariloche, de ônibus, demora cerca de 23 horas. Lan Chile, Aerolíneas Argentinas e TAM têm voos entre US$ 460 e US$ 600, partindo de São Paulo. Um táxi leva 30 minutos do aeroporto ao centro.

O Custo

Fondue de queijo em restaurante turístico: média de 35 pesos para duas pessoas
Cordeiro Patagônico em restaurante superior: 40 pesos por pessoa 
Refeições em restaurante superior a la carte: média de 50 pesos a refeição com vinho

Bariloche, Argentina

PARA DORMIR

• Localizado a 3 km do centro da cidade, o La Selva Negra (diárias a partir de 25 pesos; Av. Bustillo, Km 2,9) é a área de camping mais organizada da região. 

• Um albergue festivo e confortável, o Perigoso (diárias a partir de 26 pesos; Morales, 555) tem dormitórios espaçosos com, no máximo, seis camas, alguns com banheiro privativo. 

• O Hotel 1004 (diárias a partir de 30 pesos; San Martín, 127, 10º andar, Centro) tem as melhores vistas da cidade, dormitórios amplos e uma sala de estar comunitária simpática. 

• Familiar, a Hospedaje Wikter (diárias a partir de 40 pesos; Güemes, 566) fica no alto da montanha, oferece quartos charmosos e aconchegantes em um prédio moderno. 

• Também sobre a montanha e com vista para a cidade, a Hostería Ivalu (diárias a partir de 60 pesos; Emilio Frey, 535) tem atmosfera amigável mantida pelo dono, que cuida do conforto dos hóspedes pessoalmente. 

• A dica é fazer reserva se você quiser se hospedar na linda Hostería El Ciervo Rojo (diárias a partir de 130 pesos; Elflein, 115) que remonta a um ambiente caseiro com banheiros espaçosos, um lobby excelente e os melhores quartos no andar superior.

• A primeira vista um hotel executivo, o Hotel Carlos V (diárias a partir de 180; Morales, 420) esconde muito charme e classe por trás de sua fachada. 

DICAS DE OUTROS VIAJANTES

Festivais

Quem curte festa vai gostar de passar dez dias do mês de agosto na Fiesta Nacional de la Nieve, um dos eventos mais animados de Bariloche e que movimenta ainda mais o inverno na estação. Quem visitar a cidade no verão vai poder curtir o Festival de Música de Verano, com atrações de diferentes estilos.
Wanda Merlino

O mais belo hotel

Luxuoso e ideal para qualquer época do ano, o Llao Llao Golf & Resort é o melhor hotel da região. Às margens do Nahuel Huapi, proporciona uma lista infindável de atividades na propriedade, já que está instalado em um terreno imenso. Embora afastado, oferece transfer e apoio para quem quiser esquiar no Cerro Catedral. É puro romance.
Marisa Lopes Meira

La Puerta

Para saber tudo o que está rolando e o melhor da programação noturna que agita Bariloche, tenha sempre ao alcance a edição atualizada do jornal La Puerta, que é distribuído gratuitamente nos cafés e bares da cidade. Também há dicas de onde encontrar os melhores chocolates da cidade, outra deliciosa tradição local.
José Cunha